quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O GEPPAM deseja a todos um Feliz 2012!


Depois de um 2011 cheio de trabalhos e resultados, o Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental – GEPPAM encerra as atividades deste ano, que já se vai deixando saudades, com a certeza de um 2012 repleto de resultados e parcerias frutíferas.
Nada do que foi desenvolvido até agora seria possível sem a participação e colaboração dos moradores dos municípios trabalhados, que junto com a equipe do GEPPAM, são autores desses e outros trabalhos que ainda virão em 2012! O nosso muito obrigado a vocês que fizeram desse ano, um ano cheio de aprendizado e compartilhamento de saberes.
Um Feliz 2012 para todos são o votos do Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental – GEPPAM! 
A união desse grupo é nosso maior resultado!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Apresentações de trabalhos em São João da Ponta (PA)



O Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental  - GEPPAM, através do programa de extensão “Educação Ambiental nas RESEX Marinhas de São João da Ponta e Mãe Grande de Curuçá – PA” realizaram nos dias 17 e 18 de dezembro de 2011 a programação referente à apresentação dos resultados desenvolvidos pelo Programa junto às comunidades do município em questão.
O evento foi realizado em parceria com a Associação dos Usuários da RESEX Marinha de São João da Ponta  - MOCAJUIM e contou com uma trilha ecológica monitorada pelos agentes ambientais voluntários, os senhores Domingos Santarém e João do PT.



Pela parte da tarde houve a apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelo GEPPAM sobre a RESEX de São João da Ponta e sua área de entorno como banners, artigos, resumos,  trabalhos de conclusão de curso, teses, mídia eletrônica (blog GEPPAM) e os resultados alcançados até então a respeito do livro de memórias do munícipio e as comunidades entrevistadas e o planejamento para alcançar as demais comunidades de São João da Ponta nesse sentido.



Logo depois foi apresentado pelo agente ambiental voluntário da RESEX de Mãe Grande de Curuçá, o senhor Marcelo,  como se dá o trabalho de coleta de sementes usando o recurso do alpinismo e suas ferramentas.





A seguir, foi feito uma apresentação lúdica e brincadeiras com os participantes onde foram feitas perguntas referentes ao que foi apresentado pelos expositores e perguntas sobre a RESEX e o município de São João da Ponta. Quem errava, levava torta; quem acertava, ganhava brindes surpresas.


Pela parte da noite houve uma grande confraternização entre os usuários e representantes das RESEX de São João da Ponta e de Mãe Grande de Curuçá, a comunidade e os integrantes do GEPPAM naquela ocasião representados por Roberta Fortes, Jonilcy Moreira, Amanda Gonçalves, Elexandre Martins, Leandro Ferreira, Hemerson da Silva, Welington Moraes, Wellingtton Fernandes e Walter Rodrigues.
A programação se deu  no prédio do Centro de Referência de Assistência Social – CRAS, na Sede do município, e foi apresentada pelo senhor Domingos Santarém (MOCAJUIM).


==========================
Texto: Walter Rodrigues.
Fotos: Equipe GEPPAM

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Apresentação dos resultados e planejamentos para RESEX de Mãe Grande de Curuçá – PA

 

No dia 03/12/2011 o Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental, através do programa de extensão “Educação Ambiental nas RESEX Marinhas de São João da Ponta e Mãe Grande de Curuçá -PA”, deslocou-se para o município de Curuçá, onde reuniu-se  na Associação dos Usuários da Reserva Extrativista de Mãe Grande - AUREMAG, para a realização do planejamento da agenda de ações para o ano de 2012 nas comunidades de Membeca, Km 58, Pinheiro, Arapiranga, Andirá e Pauxis, e a apresentação dos resultados das ações desenvolvidas nas mesmas durante o evento “Entre Marés: compartilhando saberes” realizado nos dias 11 e 12 de novembro de 2011.
Durante a reunião, foram elaborados em conjunto com os colaboradores locais, planos de ações prioritárias demandadas pelas comunidades envolvidas no programa. As ações têm como objetivo principal a identificação de problemáticas ambientais e o auxilio à implantação e acompanhamento de ações para a atenuação e resolução a longo prazo, posto que instrumentaliza membros da comunidade para que sejam agentes multiplicadores destas ações.

Devido a distância geográfica entre as comunidades analisadas e a Faculdade de Geografia, a coordenadora do Programa, a Prof.ª Dr.ª Márcia Aparecida da Silva Pimentel, realizou a doação de um computador à AUREMAG, com o intuito de um contato direto e mais constante com as comunidades.
====================================
Texto informado por: Mariana Neves.
Fotos: Mariana Neves.
Revisão e adaptação para esta postagem: Walter Rodrigues.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

III Módulo de Capacitação de Agentes Ambientais

Aconteceu no dia 18 de novembro de 2011 no município paraense de São João da Ponta, pelo programa de extensão da Faculdade de Geografia e Cartografia da Universidade Federal do Pará, “Educação Ambiental nas RESEX Marinhas de São João da Ponta e Curuçá", coordenado pela Profa. Dra. Márcia Pimentel, o III Módulo de Capacitação de Agentes Ambientais na RESEX Marinha de São João da Ponta - PA com a equipe do GEPPAM composta pelos professores Pierre Teisserenc – professor de Sociologia Política da Universidade Paris 13, França, Márcia Pimentel - professora da Faculdade de Geografia, UFPA e com a monitoria dos alunos Amanda Gonçalves - PPGEO-UFPA,  Walter Rodrigues - Geografia/UFPA, 2010 e do geógrafo e biólogo Elexandre Martins.
Dentre as atividades esteve a palestra ”O território da Ação Pública” com o professor Pierre Teisserenc, onde foi discutido o papel do agente ambiental (animateur, animador em francês) dos parques da França e relacionados com o papel dos agentes ambientais das reservas extrativistas do Brasil. Depois os agentes ambientais representantes das comunidades do município foram auxiliados na elaboração de projetos e planejamentos para o ano de 2012 direcionados às comunidades ali representadas.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Fotos do evento "Entre marés: compartilhando saberes" na RESEX de Curuçá - PA



A programação ocorreu nas comunidades de Membeca, KM 58, Pinheiro, Andirá, Arapiranga e Pauxis que fazem parte do entorno da RESEX Marinha de Mãe Grande em Curuçá, nordeste paraense e contou com palestras sobre prevenção e saúde, oficinas de educação ambiental e reaproveitamento de garrafas PET, trilhas investigativas entre outras ações desenvolvidas pela Faculdade de Geografia e Cartografia da Universidade Federal do Pará promovido através do Programa de extensão Educação  Ambiental nas Reservas Extrativistas Marinhas de São  João da Ponta e Mãe Grande de Curuçá, coordenado pela Prof.ª Dr.ª Márcia Pimentel em parceria com a Associação dos Usuários da Reserva Extrativista de Curuçá (AUREMAG), Prefeitura Municipal de Curuçá através da Secretaria de Educação e Secretária de Saúde, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio).


Texto e edição: Walter Rodrigues (bolsista PROEXT, 2010)


Leia a matéria completa sobre clicando no link abaixo:

Programa da Faculdade de Geografia promove oficinas no município de Curuçá (PA)

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Programa da Faculdade de Geografia promove oficinas no município de Curuçá (PA)


Aconteceu nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no município de Curuçá, nordeste paraense, o evento Entre Marés: Compartilhando Saberes. Promovido através do Programa Educação  Ambiental nas Reservas Extrativistas Marinhas de São  João da Ponta e Mãe Grande de Curuçá, coordenado pela Prof.ª Dr.ª Márcia Pimentel, vinculado à Faculdade de Geografia e Cartografia da Universidade Federal do Pará (UFPA) e realizado pelo Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental (GEPPAM), o evento foi voltado para moradores e alunos do município de Curuçá.
Clique sobre o mapa para ampliar!

No total foram atendidas 06 comunidades da zona rural do município, onde anteriormente foram diagnosticadas poucas ou nenhumas ações de extensão universitárias voltadas para estas comunidades. Nessa proposta a Faculdade de Geografia procurou preencher esta lacuna. As comunidades atendidas foram: Membeca, KM 58, Pinheiro, Andirá, Arapiranga e Pauxis. (Ver mapa).


Com chegada por volta das 12:00 horas do dia 11/11/11 na Associação dos Usuários da Reserva Extrativista de Curuçá (AUREMAG) alunos e professores foram recebidos  pelos presidentes da AUREMAG, onde houve a abertura oficial do evento, que contou com o apoio da Associação dos Usuários da Reserva Extrativista de Curuçá (AUREMAG), Prefeitura Municipal de Curuçá através da Secretaria de Educação e Secretária de Saúde, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio). Contou-se com as participações dos professores Vicente Alves da Universidade de Campinas (UNICAMP), Shirley Cabral do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará (ITEC-UFPA) e Newton Cabral (Assistente Social), que vieram somar de forma interdisciplinar com o evento que já ocorreu na Resex Marinha de São João da Ponta em junho desse ano.

Associação dos Usuários da Reserva Extrativista de Curuçá (AUREMAG)


A programação do evento foi dividida em dois momentos:



No primeiro dia foram ministradas oficinas cujos eixos giravam em torno da Educação Ambiental para alunos da rede pública do Ensino Fundamental e, para os adultos das comunidades atendidas, palestras sobre prevenção contra AIDS/DST além de orientações a respeito de planejamento familiar, higiene pessoal, amamentação entre outras informações. Diálogos sobre a percepção dos moradores das comunidades a respeito de viverem dentro de uma Unidade de Conservação entre outras abordagens. E ainda, foram feitos mapeamentos das nascentes de rios das comunidades em questão em parceria com a comunidade.


Palestra dos Agentes Comunitários de Saúde
Oficina sobre Meio Ambiente













No segundo dia houve gincanas educativas, trilhas investigativas onde os alunos tiveram a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos nas oficinas do dia anterior a partir da percepção de sua própria realidade.


As oficinas foram ministradas por alunos da graduação e pós-graduação do curso de Geografia da Universidade Federal do Pará, alunos de especialização do Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (NUMA/UFPA), Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e professores do município.
A professora Márcia Pimentel avalia essa aproximação entre a Universidade e as comunidades através do  Programa da seguinte maneira:

“Ele (o programa de extensão) possibilita a aproximação da Universidade com as diversas realidades amazônicas, a partir da extensão. Isso é fundamental não apenas para o desenvolvimento de pesquisas, mas também para garantir o respeito pela cultura das populações locais.”

Reserva Extrativista Marinha Mãe Grande de Curuçá (PA) 





AGUARDEM A PRÓXIMA POSTAGEM COM AS DESCRIÇÕES DAS OFICINAS MINISTRADAS E SUAS RESPECTIVAS FOTOS!!!







======================================
Texto: Walter Rodrigues.

Colaboração: Geise Corrêa.
Mapa: Carlos Castro.
Imagens: Walter Rodrigues e Alessandra Nascimento.


Notícias relacionadas:

    quinta-feira, 10 de novembro de 2011

    SEMINÁRIO IBERO E LATINO AMERICANO DE GEOGRAFIA FÍSICA SERÁ REALIZADO EM MANAUS EM 2012


    O Evento Ibero e Latino Americano de Geografia Física será realizado em Manaus 2012, com o Tema: A Universalização do Conhecimento Geográfico e os Desafios do Mundo Contemporâneo.
    Promovido pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), pelo INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) e UEA (Universidade do Estado do Amazonas) e com apoio do CNPQ de outras instituições locais. 
    A composição dos Seminários (Latino e Ibero ), prima pela divulgação não somente pela produção de trabalhos científicos mas, também, pelo espaço á ciência básica, assim como, dos diferentes métodos e técnicas de pesquisa de identificação, análise critica e reflexão das potencialidades e competências da Geografia nos mais diversos campos de atuação.
    Objetivo Geral :
    O Seminário é o momento de concretizar um espaço de intercâmbio e debates no qual se refere a Geografia Física, por meio do diálogo e troca de experiências entre pesquisadores das diferentes sub-áreas da Geografia e com outras ciências afins como Geologia, Biologia, Meteorologia, entre outros. Soma-se a isso, o objetivo de incorporar o processo de produção do conhecimento à construção das necessidades de uma sociedade plural e contraditória, mas no intuito de superar as desigualdades e injustiças espaciais. 
    Objetivo Específico: 
    - Incentivar a reflexão epistemológica em Geografia Física.
    - Discutir o papel da Geografia Física como instrumento de ordenamento territorial e Políticas Públicas.
    - Divulgar procedimentos teórico-metodológicos de pesquisa básica e pesquisa aplicada. 
    - Promover a criação e/ou fortalecimento de redes de pesquisa e cooperação científica em Geografia Física na Latino-Ibero-América. 
    - Fortalecer a Geografia Física no contexto dos Programas de Pós-graduação em Geografia do Amazonas, em especial na UFAM. 
    Eixos Temáticos 
    1) Epistemologia em Geografia Física; 
    2) Biogeografia e Biodiversidade;
    3) Riscos, Sociedade e Fenômenos da Natureza;
    4) Geomorfologia e Cotidiano;
    5) Climatologia: Política e Ciência; 
    6) Geografia Física e Geotecnologias; 
    7) Geografia Física e Educação Ambiental: Desafios Contemporâneos; 
    8) Geoecologia das Paisagens, Bacia Hidrográficas, Planejamento Ambiental e Territorial; 
    Data e local do evento:
    Data: 11 a 16 de Junho de 2012 
    Local: Universidade Federal do Amazonas -UFAM 
    Manaus- Amazonas- Brasil 
    ===================================
    Mais informações em:
    FONTE: http://www.ibero-e-latino-americano-2012.com/

    ALUNOS DA GEOGRAFIA CAMPUS ORIXIMINÁ VISITAM A UFPA/FACULDADE DE GEOGRAFIA E CARTOGRAFIA, GEPPAM E O LABENGEO

    Alunos da Geografia de Oriximiná visitam o GEPPAM e o LABENGEO.

    Em virtude das atividades do SINGA (V SIMPÓSIO INTERNACIONAL E VI SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRARIA), alunos da Geografia/UFPA Campus de Oriximiná visitaram a Faculdade de Geografia e Cartografia e o GRUPO DE ESTUDOS PAISAGEM E PLANEJAMENTO AMBIENTAL (GEPPAM) e também o Laboratório de Ensino de Geografia e Material Didático (LABENGEO). 
    Momento onde podemos apresentar as atividades desenvolvidas pelo GEPPAM (GRUPO DE ESTUDOS PAISAGEM E PLANEJAMENTO AMBIENTAL) nas RESEX's Marinhas de São João da Ponta - PA e Mãe Grande de Curuçá -PA.

    Texto: Wellingtton Fernandes
    Foto: Alunos da Geografia Oriximiná

    quinta-feira, 3 de novembro de 2011

    GEPPAM PROMOVE TRABALHO DE CAMPO PARA FLONA DE CARAJÁS



    Nos dias 20, 21, 22 e 23 de outubro de 2011 foi promovido pelo Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental - GEPPAM, o trabalho de campo para Floresta Nacional de Carajás no município de Parauapebas – PA, cujo os objetivos foram conhecer e explicar o modelo de Unidade de conservação FLONA para os alunos de graduação do Curso de Geografia  integrantes do grupo e para o trabalho de campo da disciplina "Recursos Naturais e Meio Ambiente"  do Programa de Pós-Graduação da Geografia (PPGeo/UFPA) ministrada pelo Prof. Dr. Carlos Alexandre Leão Bordalo e pela Prof.ª Dr.ª Márcia Aparecida da Silva Pimentel.
    No dia 20 de Outubro, os alunos, ao longo da BR 316, BR 010 (Belém-Brasília)  e BR 222 tiveram a oportunidade de conhecer a transformação na Paisagem, sobretudo com suas variadas formas de relevo e vegetação.
    Já no dia 21 de Outubro, sob a orientação dos citados professores os alunos deixaram seus alojamentos e subiram a Serra dos Carajás, onde foram recebidos pelo Sr. Edenilson, representante do processo de Gestão e Educação Ambiental da Companhia Vale do Rio Doce na FLONA. Neste dia foram apresentadas, aos grupos e professores, algumas metodologias utilizadas pela empresa no que se refere à questão ambiental desenvolvida pela mesma, tais como a utilização de estufas que armazenam as mudas que são destinadas no tempo certo para a recuperação de determinadas áreas degradadas pela atividade de mineração, além da realização de trilhas ecológicas, como a “Trilha da Lagoa da Mata” para um contanto com a flora, solo entre outras características da biodiversidade da floresta amazônica, em especial a vegetação onde ocorre o afloramento rochoso de ferro, a “Canga”. Além de várias explanações sobre o comprometimento da empresa com a preservação e educação ambiental.
    Depois, seguindo em direção a Mina de extração, houve uma parada na Central de Materiais Descartáveis – CMD da empresa. A CMD trata-se de um conjunto de galpões e equipamentos destinados a selecionar os resíduos sólidos produzidos pela Vale de maneira que os mesmos cause o mínimo de impactos possíveis ao meio ambiente, áreas para compostagem, aterro sanitário, entre outros espaços de destinação dos resíduos gerados pela atividade de mineração e do núcleo urbano de Carajás. Logo em seguida, o grupo seguiu para um mirante de onde se tinha uma visão privilegiada do processo de extração do minério, depois houve mais explicações dos professores e do representante do processo de Gestão e Educação Ambiental da Vale a respeito do processo de extração e por fim, o grupo foi levado para almoçar no moderno e bem estruturado restaurante da empresa junto aos seus funcionários. Depois seguiram para o Núcleo Urbano de Carajás destinado a moradia dos funcionários mais antigos e especializados.
    No dia 22 de Outubro o grupo e os professores estiveram presentes no parque Zoobotânico da Vale, onde puderam ter um contanto com determinadas espécies da fauna e flora Amazônica. O grupo também estive presente na Estação Ferroviária de Parauapebas de onde o minério extraído pela Empresa Vale é transportado até o estado do Maranhão. Também puderam visualizar e aprender, através de caminhadas por alguns bairros da cidade de Parauapebas e respectivas explicações dos professores, diferentes formas de relevo, bem como suas várias formas de ocupação de acordo com a situação socioeconômica da população.

    No dia 23 de Outubro o grupo também teve a oportunidade de conhecer uma pouco da cidade de Marabá, mais precisamente a Marabá velha, onde conheceram o rio Tocantins e suas margens que em períodos de poucas chuvas transformam-se em praias de rio.




    O presente trabalho de campo serviu para unir as aulas teóricas ministradas pelos professores às práticas de ensino em campo tanto para os alunos da graduação como para os da pós-graduação do curso de Geografia da Universidade Federal do Pará.

    ================================
    TEXTO: Gilmara Silva e Walter Rodrigues.
    IMAGENS: Gilmara Silva.

    segunda-feira, 31 de outubro de 2011

    GEPPAM e LABENGEO NO II CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ENCONTRO NACIONAL DE BIOGEOGRAFIA

    Apresentação de trabalho, Ana Paula Costa (LABENGEO)

    No período de 12 a 15 de Outubro dois importantes eventos científicos ocorreram na cidade de João de Pessoa-PB, o II CNEA- congresso Nacional de Educação Ambiental e o IV ENBIO- Encontro Nacional de Biogeografia  nessa ocasião foi organizada uma caravana que levou  cerca de 49 estudantes do curso de geografia da UFPA para o evento, entre eles os bolsistas Cássio Santos (LABENGEO), Ana Paula Costa (LABENGEO) e Geise Correa (PIBIC) que tiveram seus  trabalhos aceitos para apresentação e publicação no livro eletrônico “Educação Ambiental: Caminhos para a Conservação da Biodiversidade”, sendo que o livro receberá  ISBN e o selo da editora da UFPB.  
    Apresentação do trabalho, Geise Correa (PIBIC)
    No eixo temático de Gestão e Planejamento de Áreas Protegidas está o artigo “PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA RESEX MARINHA DE SÃO JOÃO DA PONTA-PA elaborado por Ana Paula Pereira Costa, Wellingtton Augusto Andrade Fernandes (PROEXT, 2010) sob a orientação da Profª Márcia Aparecida da Silva Pimentel, o trabalho foi gerado a partir das experiências vividas durante o andamento do Programa “Educação Ambiental na RESEX marinha de São João da Ponta – PA, Proext/MEC” e buscou também divulgar as metodologias resultantes dessa experiência para o ensino da educação ambiental em unidades de conservação.


    Palestras no auditório central da UFPB.
    ===========================
    TEXTO/IMAGEM: Ana Paula Costa.
    EDIÇÃO: Walter Rodrigues.

    quarta-feira, 26 de outubro de 2011

    GEPPAM E LABENGEO: 8 dias entre rios e florestas (Expedição no Médio Amazonas)



    Inspirando-nos no espírito ousado e aventureiro dos primeiros geógrafos como, por exemplo, Alexandrer von Humboldt e sua memorável expedição científica entre os anos de 1799 a 1804 pela região equinocial do Novo Mundo, iniciamos esta postagem a respeito das descrições dos resultados dessa experiência de campo realizada pelo projeto “O Imaginário nas Formas Narrativas Orais Populares da Amazônia” coordenado pela Profª. Drª. Maria do Perpétuo Socorro Galvão Simões no XV Encontro Internacional IFNOPAP/ V Campus Flutuante 2011.
    A presente postagem não se pretende - nesse momento - estritamente científica, e sim, descritiva dos principais acontecimentos ocorridos nessa pioneira participação de alunos do curso de Geografia e Cartografia da UFPA através do Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental – GEPPAM e do Laboratório de Ensino de Geografia – LABENGEO, neste grande evento que abarca diversos cursos da Universidade Federal do Pará – UFPA, somando forças na busca e na consolidação da interdisciplinaridade no meio acadêmico assim como na valorização do trabalho de campo.


    SAÍDA DE BELÉM (13/10/11)


    No dia 13 de outubro de 2011, uma equipe composta por Amanda Gonçalves, Walter Rodrigues, Wellingtton Fernandes e coordenada pela professora Carmena França da Faculdade de Geografia da UFPA embarcou no N/C Rondônia rumo ao médio Amazonas, mas precisamente a Monte Alegre, Santarém, Óbidos, Alenquer e Oriximiná, no XV Encontro Internacional IFNOPAP/ V Campus Flutuante. Com um grande número de atividades que ocuparam 5 dias de profícua difusão de informações, com foco particular em “Cultura e Biodiversidade, com o título “Revisitando Cultura e Biodiversidade: entre o Rio e a Floresta”, pretende-se reunir representantes da comunidade científica sintonizada com esses temas, tanto com vistas à reflexão de caráter científico e conceitual, quanto de questões mais empíricas de interesse das comunidades, sem desmerecimento à informação e à discussão acerca dos processos biofísicos e biogeoquímicos de ecossistemas do Médio Amazonas; biologia de recursos da biodiversidade e interações entre o homem e o ambiente.
    Às 9 horas houve a abertura oficial com vice-reitor da UFPA, reitores da UEPA e UFOPA.  Depois houve a conferência de abertura: O histórico das expedições IFNOPAP e o Programa Universidades Flutuantes com a professora Maria do Socorro Simões, procedidas de palestras e mesa-redonda.

    RECEBIDOS COM FOGOS E MÚSICA AO VIVO EM MONTE ALEGRE (15/10/11)


    A chegada em Monte Alegre deu-se por volta das 6h do dia 15/10, após quase dois dias navegando por uma complexa e deslumbrante rede fluvial de baías, deltas e furos, incluindo o próprio gigante Amazonas, que passa em frente à cidade. O desembarque do Catamarã Rondônia aconteceu em frente ao terminal hidroviário, com direito a fogos de artifício e música regional ao vivo tocada por um grupo local.
    O objetivo de uma parte do grupo era chegar até a Serra do Ererê, para onde seguimos de ônibus. A serra localiza-se no Parque Estadual da Serra do Ererê, o qual é cercado pela APA Paituna. A palavra Ererê corresponde a uma saudação indígena, um adeus. A palavra Paituna tem o seguinte significado: PAI (água), TUNA (escuro); este nome, portanto, retrata um lago de água escura existente na localidade.




    Aproximar-se destes espaços montanhosos requer passar por um caminho de aproximadamente 40 quilômetros adentrando a área rural, a qual corresponde a 60% do município de Monte Alegre. No caminho, observando a paisagem e com as informações dadas pelo guia, descobrem-se algumas especificidades geológicas da área, como a presença de fendas de água sulfurosa, um solo rico em calcário e ferro, além de uma mina de urânio já pesquisada no local, mas com pouca capacidade radioativa. A vegetação mostra-se com algumas áreas de campos, com árvores secas, e capoeiras; a mata fechada dista da margem das estradas. Observaram-se também áreas com solo preto decorrente da queimada feita pelos moradores como parte do processo de plantio. A temperatura deveria estar entre 35° a 38°C, até a volta do percurso, aproximadamente às 12:30 horas.
    A Vila do Ererê é uma pequena localidade próxima ao Parque Estadual. A população é predominantemente agrícola e pesca em menor escala. Na Serra do Ererê, alcançamos uma parte de sua altura, aproximadamente 220 m de subida bastante íngreme com solo pedregoso.



    Ainda observou-se figuras rupestres pintadas nos paredões de rochas por antigos povos que habitaram o continente americano a milhões de anos atrás. 
     

    Próximo a Serra, uns 10 minutos, existe uma caverna chamada Itatupaoca, que significa “casa de deus de pedra”. Havia ali uma tradição de o padre rezar a missa de natal nesta caverna, mas com afluxo de muitos fiéis, a caverna passou a receber muito lixo; além disso, muitos acreditavam que a caverna era sagrada e levavam um pedaço dela. Estes fatos fizeram com que a tradição religiosa fosse extinta.
    No município de Monte Alegre, em sua parte rural, localiza-se a primeira colônia agrícola nacional, implantada na década de 1950, no governo de Getúlio Vargas.
    Deixamos a cidade de Monte Alegre por volta das 20:00 horas sob um céu limpo de ventos calmos e mornos, enquanto mais uma palestra era iniciada no auditório do Catamarã Rondônia. Nosso destino agora seria Santarém.


    APORTANDO EM SANTARÉM (16/10/11)


    Santarém - PA

    A primeira paisagem que observamos ao acordarmos na manhã do dia 16 de outubro de 2011 foi a extensa orla da cidade de Santarém. A manhã estava nublada como ainda não havia estado desde nossa saída de Belém. Logo em seguida a rádio Muiraquitã (rádio interna do evento dentro do navio) nos alertou para descermos para o café da manhã, já que às 8:00 horas deveríamos estar nos dirigindo para uma palestrar com o reitor da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA seguido de mesa redonda.
    Por volta das 14:00 horas a professora Carmena França sugeriu a coordenação do evento um passeio sobre o encontro das águas dos rios Tapajós e Amazonas convocando pela rádio Muiraquitã os participantes do evento que se dirigiram para o andar superior da embarcação. O catamarã Rondônia navegou sob o confronto das águas barrentas e pesadas dos rios Amazonas e das águas claras e leves do rio Tapajós. A professora Carmena explicava o processo para os participantes enquanto os mesmo tiravam fotos.
    E assim, o navio prosseguiu tornando cada vez menos visível à luta dos rios e a orla de Santarém no rumo da Ponta do Cururú, onde tomamos banho no rio Tapajós e escutamos e perguntamos para professora Carmena o processo de formação dos morros que vigiavam a praia de areias branquíssimas.


    ESCOLA DA FLORESTA EM ALTER DO CHÃO E VISITA À PRAIA DO JUÁ (17/10/11)

    Escola da Floresta

    Na manhã do dia 17/10/11 partimos em dois grupos para a Vila de Alter do Chão em Santarém para conhecermos a Escola da Floresta. Ali presenciamos, com o acompanhamento de guias, o trabalho desenvolvido pela Escola da Floresta.
    Com uma área de 33 hectares de floresta, a Escola da Floresta atende às demais escolas da rede municipal de ensino, oferecendo atividades diversificadas para os alunos que terão contato com casa de farinha, casa de seringueiro, viveiro de peixe, marcenaria, canteiros, mudas de plantas, trilhas na área da escola, além de uma visão privilegiada do Lago da Recordação. A proposta da Escola da Floresta é estimular mudanças de práticas e valores quanto à preservação e conservação do meio ambiente, através de um espaço de troca de experiências e ações de educação ambiental junto à comunidade escolar do município e sociedade civil organizada. Tem a finalidade de promover atividades que suscitem indagações, desafios e informações para uma nova consciência e postura, assim como uma visão ampla e participativa do lugar onde vivemos.
    A Escola da Floresta é um projeto da Prefeitura de Santarém desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação e Desporto (SEMED).
    Depois fizemos uma rápida parada na famosa praia de Alter do Chão, onde podemos tirar algumas fotos e molhar os pés. Logo em seguida, seguimos para nossa embarcação.
    À tarde, a professora Carmena e os discentes Amanda Gonçalves, Walter Rodrigues e Wellingtton Fernandes fizeram um passeio em um barco particular para conhecer a praia do Juá, onde presenciamos uma quantidade enorme de resíduos sólidos e dejetos de animais e humanos, tornando a bela paisagem do local suja e minimizadora de atratividade turística.

    Muitos resíduos sólidos na Praia do Juá
    ENFRENTANDO A CHUVA FORTE, PRÓXIMO DESTINO: ÓBIDOS (17/10 e 18/10/11)

    Na noite do dia 17 de outubro de 2011 vários grupos se formaram para deixar a cidade de Santarém em direção aos municípios de Alenquer, Óbidos e Oriximiná. Saímos do Navio Catamarã Rondônia debaixo de chuva forte às 19 horas e nos acomodamos em um micro-ônibus que distribuiu as equipes de palestrantes e oficineiros nos barcos aportados em frente da cidade. A equipe de discentes da Faculdade de Geografia composta por Amanda Gonçalves, Walter Rodrigues e Wellingtton Fernandes embarcaram no navio “Príncipe de Óbidos” acompanhados por outras equipes que realizariam oficinas, palestras, mesas redondas entre outras atividades no município em questão. O navio saiu em direção ao município de Óbidos às 20 horas tendo sua chegada às 2h35min do dia 18 de outubro. A viagem foi tranquila, embora realizada em uma embarcação da linha Santarém-Óbidos, que transporta semanalmente muitas pessoas e bastantes cargas no porão.
    Nesse dia fizemos city tur pelos principais pontos históricos e culturais do município de Óbidos. Nesse passeio tivemos a oportunidade de visitar o Forte Pauxis, que fica defronte com a “garganta do Amazonas”, o Mercado Municipal, o Museu de Óbidos e a Praça Frei Rogério. Pela parte da tarde ocorreu a solenidade de abertura das atividades que ocorreriam no dia seguinte no município, também contou com uma mesa redonda com representantes da UFOPA, da Prefeitura Municipal de Óbidos e da representante do Evento XV IFNOPAP e V CAMPUS FLUTUANTE em Óbidos.

    GEPPAM E LABENGEO PROMOVEM A OFICINA “ECO BRINQUEDOS: UMA ALTERNATIVA DE REAPROVEITAMENTO DE GARRAFAS PET” PARA ALUNOS DA REDE PÚBLICA DE ÓBIDOS (19/10/2011)



    A oficina “Eco Brinquedos: uma alternativa de reaproveitamento de garrafas PET” ocorreu conforme a programação do evento no dia 19 de outubro de 2011 na Escola Municipal de Ensino Fundamental “São Francisco” no município paraense de Óbidos, tendo início a partir das 14:00 horas, a oficina foi ministrada e organizada pelos bolsistas do GEPPAM Wellingtton Fernandes e Walter Rodrigues ambos da graduação do Curso de Geografia e Cartografia da UFPA e pela mestranda Amanda Gonçalves PPGEO/UFPA.




    A oficina foi ofertada para vinte crianças do 6° ano (antiga 5° série), entretanto, devido a ausência de oficineiros e palestrantes responsáveis pelas demais oficinas que aconteceriam na citada escola, ocorreu por parte dos responsáveis pela escola unir os participantes das demais atividades que viriam acontecer junto com as oficinas e palestras que estavam ocorrendo naquele momento como, por exemplo, a oficina “Eco Brinquedos: uma alternativa de reaproveitamento de garrafas PET”. E assim sendo, acabamos por estimar um público de aproximadamente sessenta crianças e jovens de várias faixas etárias além de professores interessados em aprender a confecção de brinquedos a partir do reaproveitamento de resíduos sólidos. Em virtude do grande público presente a oficina, tivemos que adaptá-la com dinâmicas de grupo, onde a turma foi dividida em seis equipes logo após as explicações sobre educação ambiental e reaproveitamento de matérias sólidos, amostra de vídeos e finalmente a prática.


    A oficina teve como objetivo despertar o interesse nos alunos a respeito das questões ambientais, principalmente a assuntos ligados a educação e conscientização ambiental, onde foi sugerido a criação de  brinquedos, reaproveitando garrafas PET (coletadas na Praça Frei Rogério e às proximidades) e tendo consciência da contribuição que se faz ao meio ambiente retirando garrafas das ruas, rios, praças, praias e transformando-as em diversos brinquedos como puxa-puxa, porta trecos, lixeirinha, tampa no copinho, carrinhos, entre outras muitas possibilidades de criação a partir do reaproveitamento.



    OFICINAS EM SANTARÉM SEM PÚBLICO (18/10 a 19/10/11)


    Enquanto nos demais municípios como Óbidos faltou profissionais para atender a grande demanda de participantes, em Santarém, se deu o contrário. Desse modo, as oficinas "Elaboração de projetos didáticos interdisciplinares" e "Conteúdos de Geografia Física no ENEM" a serem realizadas pela professora Carmena França neste município, não contou com o público esperado, sendo obrigado a organização do evento a cancelar diversas oficinas destinadas aos professores e alunos de Santarém.

    DEIXANDO ÓBIDOS E SANTARÉM (19/10 a 20/10/11)



    Após a oficina em Óbidos atravessamos de lancha para Santarém num intervalo de duas a três horas. Encontramos com a professora Carmena no navio e arrumamos nossas malas seguindo direto para o aeroporto de Santarém para voarmos em direção a Belém às 2:40 horas da madrugada. E assim foi feito. Chegamos em Belém às 4:00 horas da manhã. A equipe se desfez. Cada um para suas casas com suas malas. Wellingtton Fernandes e eu (Walter Rodrigues) ainda enfrentaríamos às 6:30 horas daquele mesmo dia mais uma longa viagem promovida pelo GEPPAM para Floresta Nacional de Carajás.


    =========================
    Texto e imagens: Walter Rodrigues, Wellingtton Fernandes e Amanda Gonçalves.




    Fonte complementar consultada

    Instituto de Desenvolvimento Florestal do Pará